Assunto nosso

  Afirmas que o mundo é mar

  De abismos, trevas e escolhos;

  Conserva, por isso mesmo,

  A caridade nos olhos.

 

  Suplicas esquecimento

  Da mágoa em que tens vivido;

  Guarda cautela, aplicando

  A caridade no ouvido.

 

  Desejas larga distância

  Da fala maldosa e oca…

  Cultua, quanto puderes,

  A caridade na boca.

 

  Pretendes largar, de todo,

  Tristezas e laços vãos,

  Cultiva, além do dever,

  A caridade nas mãos.

 

  Queres que os outros te vejam,

  Coração nobre quanto és,

  Atende, em questões de rumo,

  À caridade nos pés.

 

  Sonhas banir da família

  Rixa, contenda, pesar…

  Inicia, praticando

  A caridade no lar.

 

  Ensinas beneficência,

  Ante a penúria indefesa,

  Mas não olvides pregar

  A caridade na mesa.

 

  Exiges a estima alheia

  Que os empeços atenua,

  Emprega, constantemente,

  A caridade na rua.

 

  Se indagássemos do Cristo

  Como achar felicidade,

  Jesus, decerto, diria:

  — Caridade, caridade…

 

( Caridade. Casimiro Cunha. Psicografado por Chico Xavier)