As Respostas de Joãozinho

        Numa manhã de primavera, Joãozinho e sua mãe foram passear no parque da cidade. Mamãe, olhando para o céu, exclamou:
        - Olhe, Joãozinho, veja como está lindo o céu! As nuvens parecem lírios brancos num imenso lago azul!
        -  Está lindo mesmo! - disse Joãozinho - Mas eu acho que as nuvens parecem barquinhos de velas brancas. Veja aquelas, mãe, lá longe, tão     pequeninas... Não parecem carneirinhos?
        Dona Laura sorriu ante as comparações do filho. E concordou com ele,  acrescentando:
        - Repare como o vento faz com que elas se movimentem...
        - É que o vento é o pastor das ovelhinhas do céu, mãe! - concluiu o menino.
        Dona Laura achou interessante a conclusão de Joãozinho. Os dois continuaram a caminhar pelas alamedas, admirando os canteiros cheios de flores.
        - Ouça, mamãe! Ouça como canta o passarinho.
        - É um bem-te-vi, filho. repare como ele diz: "bem-te-vi"! "bem-te-vi"!
        - Engraçado! Parece mesmo que ele está falando!
        E os dois ficaram ouvindo o bem-te-vi cantar.
        Apontando os canteiros cheios de flores, a mãe perguntou:
        - Quantas cores você pode contar ali, meu filho?
        - Roxo, amarelo, azul, laranja...quatro, mamãe.
        Dona Laura reclamou:
        - Falta ainda uma: a vermelha. Olhe aquela rosa do outro lado. Quantas coisas lindas estamos encontrando! Coisas que Deus criou.
        - Mas como é Deus? ... Eu nunca vi Deus!
        Naquele momento, um ventinho começou a soprar no parque, fazendo girar o cata-vento que Joãozinho havia acabado de comprar. Dona Laura perguntou:
        - Sente o vento, meu filho?
        - Ora! Sinto, mamãe!
        - Pode vê-lo?
        - Não - respondeu ele um pouco surpreso. - Nem eu, nem ninguém pode ver o vento.
        Mamãe sorriu e continuou, com os olhos alegres:
        - Mas você nota o que o vento faz?
        - Claro! ... Ele balança as flores e as folhas, girou meu cata-vento. Está em todos os lugares.
        Dona Laura comentou:
        - É isto mesmo. Não podemos ver o vento, mas sabemos que ele está em toda parte e sentimos sempre a sua presença, logo...
        Mamãe não completou a frase, pois Joãozinho, muito inteligente e muito esperto, disse depressa:
        - Já sei! Já adivinhei tudo,  a gente não vê Deus, não sabe como é... mas, a gente sabe que Ele é bom, que está em toda parte e que fez todas as coisas lindas que vemos hoje.
        - Não só as que vemos hoje, mas muitas outras nos falam do amor e da proteção de Deus - acrescentou Dona Laura, toda comovida.
        E Joãozinho,todo importante, concluiu:
        - Ora, nós não precisamos ver Deus, para sabermos que Ele existe e nos ama muito, muito, não é mamãe?
        Foi então que ele ouviu uma voz e olhando para trás, viu o pai, com quem haviam combinado de se encontrar no parque. Correu para abraçá-lo, e disse:
        - Papai, hoje eu aprendi uma porção de coisas sobre Deus. Quer que eu conte?

(Evangelização Infanto-Juvenil - Aliança Espírita Evangélica)