Américo e o quinto mandamento

        Numa manhã de sábado, Américo e vários amigos jogavam um futebol animado, no campinho perto de casa.

         De repente, Lúcia, sua irmã, chegou correndo:
       - Américo! Mamãe está chamando para você ir à feira com ela.
       - Já vou! Falou Américo meio aborrecido.
       Seus colegas começaram a zombar:
       - Chi! Você ainda está nessa? Ei, isso é para os velhos, disse um de seus amigos.
     Américo, sendo um filho que respeitava as ordens de sua mãe, disse:
     -É, mas preciso ajudar minha mãe.

       - Olha a bola, Américo! - disse outro chutando a bola em direção a Américo, procurando distraí-lo e fazê-lo esquecer o chamado da mãe.

       Mas desta vez, era a mamãe que o chamava:
       - Venha logo, Américo!
       O menino abandonou a brincadeira, um pouco envergonhado pela zombaria dos colegas.
       Mãe e filho seguiram para a feira. Fazia muito calor. Ao atravessarem uma vilazinha meio deserta, D. Rosa, de repente falou baixinho:
      - Américo, estou me sentindo mal...

        Américo ficou assustado, amparando a mãe, que foi se sentando devagar na calçada.
       O menino tocou a campainha de uma casa próxima, pedindo ajuda.

        Levaram sua mãe para o pronto-socorro.
       Depois de atendê-la, o médico disse:
       - Se a senhora não tivesse sido atendida a tempo, poderia ter acontecido coisa pior.

      No dia seguinte, quando Américo encontrou seus amiguinhos no campinho, eles gritaram logo:
      - Como é, você vai à feira hoje também?  Vai com a mamãezinha?
      - Se mamãe precisar de mim, eu irei. Se eu não fosse com ela ontem, talvez agora eu não tivesse mais mãe.
      Ouvindo o que Américo lhes contava, os colegas abaixaram a cabeça, envergonhados de suas brincadeiras.

 (Clóvis Tavares e Nina Arueira .Os dez mandamentos)