A visita

Quando Deus criou na Terra

A visita de amizade,

Permitiu-a, incentivando

A paz e a fraternidade.

 

Antes, contudo, o Senhor,

Que preserva nossa vida,

Deu a norma generosa

Que, em tudo, lhe é devida.

 

No silêncio venerando

Com que fala das Alturas,

Nosso Pai ensina isso

Visitando as criaturas.

 

Vem com o sol de maravilhas

Que não olvida ninguém,

Aquece as coisas e os seres,

Amando, fazendo o bem.

 

Vem junto à chuva bondosa

E atende à fecundação,

Traz flores, verdura e seiva

E espalha as bênçãos do pão.

 

A Visita Paternal

Nunca falta nem demora,

O Senhor vem ver-nos sempre,

Cada dia, cada hora.

 

Entretanto, não comenta

Nossas grandes cicatrizes,

Apenas procura meios

De tornar-nos mais felizes.

 

De mil modos auxilia

Com bondade sempre igual,

Buscando estabelecer

O olvido de todo mal.

 

Nos tempos de riso e flores,

Nos dias de dor e abrolhos,

Ao lado de teus amigos,

Não visites com maus olhos.

 

Maledicência é veneno

Que traz angústias de inferno;

Ganhar visita ou fazê-la,

É divino dom do Eterno.

 

(Cartilha da natureza . Casimiro Cunha. Psicografado por Chico Xavier)