A tartaruguinha verde

        Era uma vez uma Tartaruguinha Verde.

        Ela vivia no fundo de uma baía. Queria, porém, sair da lama.

        Suspirava por chegar à superfície das águas e encontrar um mundo novo.

        Procurou os conselhos do rei Caranguejo:

        -- Ora, ora... Tenho eu lá tempo para querer outro mundo? Esse já me basta...

        A Tartaruguinha, depois de ouviu dizer que o Cação era representante do mundo da superfície, foi procurá-lo:

        -- É preciso ter muito juízo e cumprir algumas obrigações para chegar lá em cima.

        E o Cação meteu-a numa toca e amarrou-a em fitas, para que ficasse longe das tentações da lama - Se quiser é assim!

        Algum tempo passou e a Tartaruguinha, cansada, sentia-se amarrada demais. E acabou abandonando aquele buraco.

        Ela procurou o Peixe Estrela. Ele ajeitou os óculos e disse:

        -- É preciso decorar palavras mágicas. Sem elas não há salvação.

        A Tartaruguinha decorou livros e livros e nunca se sentia a caminho da superfície.

        Abandonou tudo.

        Já meio desanimada, falou com o Peixe Espada:

        -- Olá, Tartaruguinha. Ouvi dizer que você quer salvar-se da lama. Não há mistério nenhum para isso. A regra é uma só para todos:

        Ajude os que sofrem e se ajude  estudando.

        A Tartaruguinha não perdeu tempo. Correu a socorrer um Peixe reumático. Dali foi medicar um corte no tentáculo de um velho Polvo. Depois foi cuidar dos dentes do Ouriço.

        Socorrendo e estudando, sentiu-se feliz.  Passou a dar conselhos de paz ao Tubarão.

        Falou à Baleia sobre o mal da gula...E... De repente... Sem a Tartaruguinha perceber, estava na superfície da baía. Um mundo maravilhoso à sua frente!

        Depois, ao encontrar com o Peixe Espada disse:

        -- Cheguei no mundo novo, seu Espadinha!

        -- Você notou, Tartaruguinha, que para salvar-se da lama era preciso ajudar, ajudar e ajudar sempre.

        Feliz, ela continuou a servir.

(Roque Jacinto. Adaptações Patrícia Boldt)