A salada

           Lena é esta garotinha simpática que vocês estão vendo, com laço de fita nos cabelos, brincando com sua amiguinha Tita.
Tita é filha da senhora que, há muitos anos, faz faxina na casa de Lena, e ela tem três irmãozinhos, diferentes de Lena, que é filha única.

        Como é bem difícil sustentar uma família grande, a mamãe de Lena sempre ajuda a mamãe de Tita, dando algumas roupas para as crianças, material escolar, e a própria Tita aproveita alguns vestidos que a Lena, por algum motivo, não usa mais.

        Talvez o fato de Tita ser pobre, ou quem sabe por não ter uma aparência tão bonita quanto a de Lena, esta, embora seja sua amiga, a trata com ares de superioridade. Em todas as brincadeiras, a parte de Tita é sempre a mais pesada; Lena sempre é a chefe, a quem manda, a princesa...

        A mamãe de Lena, observando que sua filha não tratava Tita com igualdade, com fraternidade, ficou preocupada. Ela não queria que Lena crescesse com preconceitos.

        Quem sabe o que é preconceito? É, por exemplo, quando julgamos as pessoas pela aparência, pela cor, pela religião, etc, achando que só os bonitos, bem vestidos, branquinhos, ricos, são bons, são educados. E isto é muito errado!... E, é claro, que a mamãe de Lena não queria que sua filha fosse uma pessoa preconceituosa. Resolveu, então, fazer uma coisa... Que será que a mamãe de Lena fez?

        Um dia, chamou à cozinha as duas meninas, que estavam brincando no quarto de Lena.
        - Crianças – disse ela – sei que vocês gostam muito de salada de fruta com sorvete, não é?
        - Oba, mãe, você vai dar salada com sorvete pra gente? – gritou Lena. Eu quero o meu potinho bem cheio, e o que sobrar pode dar para a Tita. Mamãe olhou muito séria para Lena. Vocês sabem por quê?

        - Calma, calma – continuou mamãe – se querem salada de fruta têm que me ajudar a fazê-la!
        - Nós ajudamos, mamãe – falou Lena – enquanto eu apanho a saladeira, a Tita pega as frutas e vai descascá-las. E vai jogar as cascas no lixo direitinho, viu Tita?
        Mais uma vez, mamãe olhou muito séria para Lena. Sabem por quê?
        - As duas vão pegar os potes e lavá-los. Eu descasco e corto as frutas, pois mexer com facas é perigoso.
        Tendo lavado logo os potinhos, as meninas foram ver a mamãe preparar a salada.

        - Uai, mãe, por que você só está cortando maçã? - falou Lena. E as outras frutas? - Engraçado, minha filha, eu pensei que você só desse importância ao que fosse
bonito, caro...
        - Mas, mãe, salada de uma fruta só?...
        - Veja: as bananas têm amassadinhos; as uvas são daquelas pretinhas, bem pequenas; o mamão está com uma cara engraçada, meio torto...
        - Mas são gostosos, mãe!... A gente tira os amassadinhos; as uvas pretinhas são docinhas... E que importância tem o mamão estar torto, se ele estiver docinho – argumentou a menina.
        - Que bom que você pensa assim, filhinha! Pelo jeito que você trata as pessoas que são diferentes de você, até cheguei a imaginar que julgava pela aparência... Realmente, no reino da pessoas, como no reino das frutas, existem diferenças, o que não quer dizer que a cor, o tamanho, a riqueza, possam fazer melhor ou pior...

        Lena imediatamente compreendeu que mamãe falava de Tita, e para provar que  aprendera a lição, abraçando a amiguinha, falou:
        - Mamãe, vamos fazer a salada com todas as frutas. Depois você dividirá a salada e o sorvete em partes iguais para Tita e para mim! .

(Fonte: Apostila da Aliança Municipal Espírita de Juiz de Fora -AME-JF)