A galinha carinhosa

            Certo dia, uma galinha carinhosa, saiu a procura do seu ovo que havia desaparecido em uma noite de verão. Depois de vários dias procurando, encontrou um ovo. Mesmo não sabendo se era  seu, ela o cobriu sobre suas asas, e o aqueceu carinhosamente. Quando saia para buscar alimento, voltava com pressa, para que o ovo não esfriasse.

            E sempre pensava:

            _ Será meu pintinho! Será meu filho!

            Em uma linda manhã o ovo se abriu e nasceu um bonito filhote.

            Ela o criou, com todos os cuidados de uma mãe amorosa. No entanto, certo dia, o seu filhote cresceu e fugiu para uma floresta onde havia muitas árvores gigantescas. Ela tentou o chamar de volta, mas não teve resposta porque o filhote era uma coruja aventureira que queria sair pela noite e voar pelos galhos das árvores.    

            A galinha ficou triste pelo que tinha acontecido, mas depois de um tempo ela encontrou um novo ovo e cuidou novamente dele.

            O novo ovo se abriu e nasceu um filhotinho pequenininho, ela o protegeu com ternura e carinho de uma mãe. Porém o seu filhote começou a crescer e ela percebeu que não se parecia com um pintinho. Tratava-se de um corvo muito esperto, que a abandonou novamente e se juntou aos seus colegas da mesma espécie.

            A galinha sofreu muito por ter perdido outro filhote, mas não perdeu a esperança, num outro dia encontrou um novo ovo e repetiu a experiência. Chocou-o e cuidou dele carinhosamente. Depois de alguns dias o ovo se abriu e nasceu um lindo filhote. Quando o filhote começou a crescer a galinha percebeu que este era o seu filhote que havia desaparecido, pois era um pintinho. E pensou consigo mesma que este nunca iria lhe abandonar porque era seu filho de sangue.  No entanto, quando o pintinho cresceu se tornou  orgulhoso e egoísta e muitas vezes a maltratava. Pelo contrário do que ela pensava, ele não ficou do seu lado, foi embora com uma outra turma de galinhas. 

            A dedicada mãe chorou amargamente, porém encontrou um novo ovo, que resolveu cuidar, mesmo não sendo seu filho. Deste ovo nasceu um filhote amarelinho, parecia um pintinho. Mas, durante o seu crescimento percebeu que era um filhote de pato. Vendo que ele era diferente dela fisicamente, achou que também não iria gostar dela, como os outros. Mas passou um bom tempo e este filhote não a abandonou. A pata se tornou uma grande amiga dela e as duas se davam muito bem. A pata a amava como se fosse sua mãe de sangue. 

            Depois ter passado algum tempo, a sua filha pata cresceu e começou a botar ovos, porém um deles desapareceu, da mesma forma que  tinha ocorrido com sua mãe galinha. Ela então resolveu procurá-lo e encontrou um ovo perdido, mas ao ver que não era o seu, o desprezou.  Sua mãe viu o que ela tinha feito e lhe disse:

            - Filha, não faça isso, não abandone este ovo. Eu cuidei de vários filhotes, somente um deles era meu filho de sangue. Porém, este meu filho só era fisicamente parecido comigo. Não tinha os sentimentos parecidos com os meus e acabou me abandonando. Eu te encontrei e você estava perdida, sabia que não era minha filha, mas resolvi cuidar de você mesmo sendo diferente fisicamente. Não sou sua mãe de sangue, mas hoje sou sua mãe de coração e somos muito amigas.    

            - Portanto, cuide deste ovo, mesmo não sendo seu filho de sangue. Devemos amar a todos e não esperar recompensa alguma pelos atos bons que fizermos. Sempre ajude quem você puder, lembre-se disso. 

            Ouvindo isso a pata ficou envergonhada da sua atitude e começou a cuidar daquele ovo com muito amor, como se fosse o seu filho de sangue que havia perdido. E continuou cuidando de todos os ovos que encontrava perdidos como se fossem os seus próprios filhos.

(História adaptada do livro: Alvorada Cristã. A galinha afetuosa. Espírito Neio Lúcio. Psicografado por Chico Xavier).