A enfermeira da floresta

A vida lá na floresta

É movimento todo dia

De trabalho e alegria

Da coruja, elegante

Ao pesado elefante.

Toda manhã, tão faceira,

Lá vai a linda Joaninha!...

E bem na casa vizinha

Mora uma velha toupeira

Que pensa maldosa:

“Como é prosa a Joaninha

Vestida toda de rosa.

Onde irá essa orgulhosa?!...”

Um dia, fez-lhe a pergunta:

- Pra onde vai, Joaninha

Todo o dia a mesma hora?

Vai tomar chá com as amigas,

E jogar conversa fora?

Diz a gentil, Joaninha:

- Tem razão, minha vizinha

As amigas já me esperam,

Tenho pressa, tenho pressa!

E as línguas faladeiras

Não cansavam de dizer:

- Lá vai Joaninha orgulhosa

Muito prosa, toda de rosa!

A vizinha não sabia

É que a linda Joaninha,

Tão arrumada e meiguinha,

Era a melhor enfermeira

Que na floresta vivia.

E por ser muito discreta

Sua ajuda era secreta.

Um dia a vizinha – coitada!

Sempre tão desastrada

Pra vigiar a Joaninha

Subiu e ... caiu da escada!

Ficou muito machucada

Foi levada para o hospital

Chorava que dava dó

Dizendo que estava mal.

Disse então, Dr. Lobão:

- Não chore, minha senhora,

Temos boa enfermeira

Que atende a semana inteira

E sem cobrar um tostão,

Só com o amor do coração!

Qual não foi sua surpresa

Quando chegou a enfermeira

Era a nossa Joaninha

Alegre e trabalhadeira

E a vizinha constrangida

Falava bem comovida:

- Achei que eras orgulhosa

Mas és humilde e bondosa

Joaninha, sorridente,

Falou, assim, bem contente:

- Não pense mais nisso agora

Vou cuidar bem da senhora

Quando da perna cuidava

A boa Joaninha ensinava:

- Vivamos com humildade

Buscando a felicidade.

(Autor desconhecido)