A dádiva difícil

 Não avançarás ao longo do caminho, sem doar algo de ti mesmo.

Aqui, é o companheiro que te roga assistência fraterna.

Além, é o desconhecido que te pede arrimo e esperança.

 Agora, é o amparo aos desvalidos.

 Depois, é o socorro aos enfermos.

 À maneira da embarcação que distribui os valores de que se enriquece, espalharás, seja onde fores, os bens que o Senhor te confia.

O pão, a moeda e o agasalho são recursos da Terra em tuas mãos.

 Fácil será sempre mobilizá-los e estendê-los.

 Atenta, contudo, para a dádiva difícil que sai do coração.

O próprio sacrifício, em favor dos outros, é plantação de felicidade no ambiente em que respiramos.

 Aprende a calar para que teu irmão fale mais alto.

 Esquece as ofensas alheias, compreendendo que poderiam ter sido perpetradas por ti próprio.

 Apaga-te para que a luz do próximo seja vista.

 Dá de ti mesmo em humildade, paciência, brandura, abnegação e amor…

 Jesus, transmitindo as bênçãos do Céu de que se fazia portador, era o Médico Providencial dos sofredores na região em que se mantinha, mas aceitando o supremo sacrifício de si mesmo, na cruz, converteu-se em Divino Benfeitor da Humanidade inteira.

Não olvides que a renunciação aos próprios caprichos, na exaltação do bem de todos, será sempre no mundo a tua dádiva maior.

(Mais Perto. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier)