Aula 68 - Cuidar do corpo e do Espírito

Ciclo 1 - História:  A estrelinha azul  -  Atividade:  LE - L3 - Cap. 5 - 1 - Instinto de conservação ou/e Pedir para colar sobre um desenho de uma estrela pequenos pedaços recortados de papel laminado azul e prata.  

Ciclo 2 - História:  O bicho preguiça -  Atividade: LE - L3 - Cap.  5 - 3 -  Gozos dos bens da terra ou/e ESE - Cap. 17 - 10 - Cuidar do corpo e do Espírito.   

Ciclo 3 - História:  Alimento espiritual -  Atividade: Paulo de Tarso - 15. Cuidar do corpo e do Espírito.

 

Dinâmicas: Cuidar do corpo e do Espírito I; Cuidar do corpo e do Espírito II.    

Mensagens Espíritas: Corpo e alma; Corpo.

Sugestão de livro infantil: A Descoberta do Dr. Corujão. Regina Timbó. Editora IDE.

 

Leitura da Bíblia: Provérbios - Capítulo 23


23.20   Não estejas entre os beberrões de vinho, nem entre os comilões de carne.



1 Coríntios - Capítulo 6


6.20   Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus.


 

Tópicos a serem abordados:

- O corpo físico é o envoltório material que reveste o Espírito temporariamente, para que Ele possa cumprir, aqui na Terra, sua tarefa, necessária para sua evolução. Deus nos forneceu o corpo físico como um empréstimo, pois ele não nos pertence.    

- Devemos cuidar muito bem do nosso corpo, pois se ele não estiver saudável, não é possível trabalhar.  O homem deve-se alimentar de tudo que não prejudique a sua saúde e comer somente o necessário, sem excessos. É preciso evitar o uso de cigarro, álcool e drogas, tudo que lhe possa causar grandes prejuízos.

- Uma alimentação rica em frutas, verduras e cereais é a mais adequada para uma boa saúde. No entanto, a maioria dos seres humanos também necessita da alimentação com carne de animais, devido ao seu valor protéico. É preciso, portanto, nos alimentar conforme a necessidade do nosso organismo. 

- É preciso também cuidar da higiene pessoal, para preservar o nosso corpo físico. É importante tomar banho todos os dias, lavar as mãos antes das refeições, escovar os dentes depois das refeições, andar sempre calçado, para evitar contrair doenças.  

- Sempre que lhe seja possível, respirar o ar livre, tomar banhos de água pura e receber o sol farto, vestindo-se com decência e limpeza, sem, contudo, prender-se à adoração do próprio corpo.

- O sol é fonte de energia e a luz solar também é responsável por contribuir na produção da vitamina D em nosso organismo, o que garante ossos mais fortes. Mas deve-se fugir da exposição excessiva ao sol sem proteção, principalmente nos horários de maior radiação (10 às 16 horas) , pois é preciso proteger-nos contra o câncer de pele (1).

- A prática de exercícios físicos também ajuda-nos a prevenir de algumas doenças (principalmente as doenças cardiovasculares, que afetam o coração e vasos sanguíneos), fortalece os músculos, aumenta a força e a flexibilidade do nosso corpo (2).   No entanto, o repouso também é necessário e serve para a reparação das forças do corpo.

- Além de cuidar do nosso corpo físico, é necessário também cuidar do nosso Espírito. O corpo material não funciona separado da alma. Ele  é o instrumento de manifestação do Espírito encarnado; um depende do outro, portanto é preciso cuidar de ambos.

-  A nossa mente interfere sobre as células do nosso corpo físico. Cultivar bons sentimentos no coração, de esperança, de fé, de amor, de alegria, de paz e as ideias edificantes proporcionam boas energias que equilibram e deixam o nosso corpo saudável. Cultivar sentimentos de ódio, rancor, raiva, tristeza, vingança causam perturbações e doenças que se refletem no nosso organismo. Qualquer desrespeito da mente logo se reflete no corpo, em forma de enfermidade.

- O Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo possui a receita eficaz para qualquer desgaste do corpo e desorganização da alma. Jesus recomendava com sabedoria: ''Não faça aos outros o que você não quer que seja feito a você" demonstrando que de acordo com o que semearmos, assim será a colheita. A saúde integral, portanto, será sempre o resultado de uma boa conduta.

 

Comentário (1): http://cancer.org.br/sobre-o-cancer/prevencao/radiacao-solar/ . (2): http://globoesporte.globo.com/eu-atleta/saude/noticia/2013/03/diabetes-pratica-de-exercicios-fisicos-ajuda-no-tratamento-da-doenca.html.  Data da consulta: 25/07/15.

 

Perguntas para fixação:

1. Por que o Espírito precisa ter um corpo físico?

2. Porque é necessário cuidar do corpo material?

3. Que tipo de alimentação é saudável?

4. Quais produtos devem ser evitados?

5. Quais tipos de higiene pessoal devem ser feitas?

6. Qual é a importância do sol na nossa vida?

7. Por que a prática de exercícios físicos é importante?

8. Além do corpo físico, o que devemos cuidar também?

9. De que maneira devemos cuidar do nosso Espírito?

10. Onde possui a receita eficaz para qualquer desgaste do corpo e desorganização da alma?

 

Subsídio ao Evangelizador:

            No corpo humano, temos na Terra o mais sublime dos santuários e uma das supermaravilhas da Obra Divina.  (Roteiro. Cap. 3 - O Santuário Sublime. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier). 

            Não podemos esquecer que o próprio Divino Mestre classificava-o como templo do Senhor. (Missionários da Luz. Cap. 12. Espírito André Luiz. Psicografado por Chico Xavier).

            O corpo é o primeiro empréstimo (1) recebido pelo Espírito trazido à carne. (Conduta Espírita. Cap. 34 - Perante o corpo. Psicografado por Waldo Vieira)

            O corpo (físico) é o invólucro material que reveste o Espírito temporariamente, para preenchimento da sua missão na Terra e execução do trabalho necessário ao seu adiantamento. (O céu e o inferno. 1ª Parte. Cap. 3. Item. 5. Allan Kardec).

            A obrigação, para o Espírito encarnado, de prover à nutrição de seu corpo, sua segurança e seu bem estar, constrange-o a aplicar as suas faculdades na busca de exercê-las e desenvolvê-las. Sua união com a matéria é, pois útil ao seu adiantamento; eis por que a encarnação é uma necessidade ( A Gênese. Cap. 11. Item 24. Allan Kardec).

            Se Deus quis que suas criaturas espirituais fossem momentaneamente unidas à matéria, é, repito, para as fazer sentir e, a bem dizer, para que sofressem as necessidades que a matéria exige de seus corpos, no que respeita ao seu sustento e conservação. Dessas necessidades nascem as vicissitudes que vos fazem sentir o sofrimento e compreender a comiseração que deveis ter por vossos irmãos na mesma posição. Esse estado transitório é, pois, necessário ao adiantamento do vosso Espírito, que, sem isto, ficaria estagnado. As necessidades que o corpo vos faz experimentar estimulam os vossos Espíritos e os forçam a buscar os meios de as prover; desse trabalho forçado nasce o desenvolvimento do pensamento. (Revista Espírita. Fevereiro de 1864. Dissertações Espíritas. Necessidade da encarnação. Allan Kardec).

            É lei da Natureza o instinto de conservação?

            Sem dúvida. Todos os seres vivos o possuem, qualquer que seja o grau de sua inteligência. Nuns, é puramente maquinal, raciocinado em outros. (O Livro dos Espíritos. Questão 702. Allan Kardec)

            A lei de conservação obriga o homem a prover às necessidades do corpo?

            Sim, porque, sem força e saúde, impossível é o trabalho. (O Livro dos Espíritos. Questão 718. Allan Kardec)

            Será racional a abstenção de certos alimentos, prescrita a diversos povos?

            Permitido é ao homem alimentar-se de tudo o que lhe não prejudique a saúde. Alguns legisladores, porém, com um fim útil, entenderam de interdizer o uso de certos alimentos e, para maior autoridade imprimirem às suas leis, apresentaram-nas como emanadas de Deus. (O Livro dos Espíritos. Questão 722. Allan Kardec)

            A alimentação animal é, com relação ao homem, contrária à lei da Natureza?

            Dada a vossa constituição física, a carne alimenta a carne, do contrário o homem perece. A lei de conservação lhe prescreve, como um dever, que mantenha suas forças e sua saúde, para cumprir a lei do trabalho. Ele, pois, tem que se alimentar conforme o reclame a sua organização. (O Livro dos Espíritos. Questão 723. Allan Kardec)

            Na Terra os encarnados têm uma missão a cumprir; têm um Espírito, que deve ser nutrido pelo Espírito, e um corpo, que deve ser alimentado pela matéria; mas a natureza da matéria influi sobre a espessura do corpo e, em consequência, sobre as manifestações do Espírito, o que é facilmente compreensível. Os temperamentos bastante fortes para viver como os anacoretas fazem bem, porque o esquecimento da carne leva mais facilmente à meditação e à prece. Mas para viver assim, em geral seria necessária uma natureza mais espiritualizada que a vossa, o que é impossível com as condições terrestres. E como, antes de tudo, a Natureza jamais age com disparate, é impossível ao homem submeter-se impunemente a essas privações. Pode ser-se bom cristão e bom espírita e comer a seu gosto, contanto que seja razoável. É uma questão um tanto leviana para os nossos estudos, mas não menos útil e proveitosa. (Revista Espírita. Dezembro de 1863. Sobre a alimentação do homem. Allan Kardec)

            O nosso corpo espiritual está condicionado em grande maioria de nós outros à absorção das proteínas do reino animal. Então, se nós estamos ainda subordinados à necessidade de valores protéicos que recebemos da carne, nós não devemos entrar em regimes vegetarianos de um dia para outro e sim educar o nosso organismo para realizarmos essa adaptação. Nesse sentido, muitas vezes, quando a nossa vontade já não mais se dirige para a alimentação com base na carne, precisamos considerar o nosso problema de saúde, ouvir um médico amigo, que possa nos aconselhar quanto ao problema da nossa alimentação, para que os nossos problemas de nutrição sejam resolvidos com harmonia e segurança, para não cairmos na perda de memória e em determinados desastres orgânicos por falta de valores protéicos intensivos em nosso corpo celular. Vamos pensar nisto e muitos de nós precisamos ainda da alimentação com base na carne, embora essa alimentação tenha para nós um valor de terapêutica. Isso parece uma racionalização em Psiquiatria. Parece que nós estamos criando uma desculpa para comer a carne. Mas não é bem isso. A maioria de nós ainda necessita da carne e para dispensarmos esse tipo de concurso dos animais, precisamos tempo, para que a nossa reencarnação possa produzir os valores a que somos chamados. Nós todos somos chamados a produzir algo de bom e precisamos saúde, vida saudável, vida robusta. A pecuária ainda é um dos fatores da economia humana. Não podemos tratar estes casos com ingenuidade, conquanto os animais nos mereçam o máximo respeito e não devamos criar situações de extermínio desnecessário para eles. Nós precisamos ainda da carne, precisamos de leite, dos laticínios, precisamos de muitos modos da cooperação dos animais, na farmacologia, na nossa vida comum. Por enquanto não podemos dispensar, mas também não devemos estar como senhores absolutos da natureza. Queremos bife de filé; carne de cabrito e peixe e carneiro, tudo de uma vez. Um pedacinho de carne.  (Chico Xavier, dos hippies aos problemas do mundo . Entrevistas. Emmanuel/ Chico Xavier)

            Será meritório abster-se o homem da alimentação animal, ou de outra qualquer, por expiação?

            Sim, se praticar essa privação em benefício dos outros. Aos olhos de Deus, porém, só há mortificação, havendo privação séria e útil. Por isso é que qualificamos de hipócritas os que apenas aparentemente se privam de alguma coisa. (O Livro dos Espíritos. Questão 724. Allan Kardec)

             Que se deve pensar das mutilações operadas no corpo do homem ou dos animais?

            A que propósito, semelhante questão? Ainda uma vez: inquiri sempre vós mesmos se é útil aquilo de que porventura se trate. A Deus não pode agradar o que seja inútil e o que for nocivo Lhe será sempre desagradável. Porque, ficai sabendo, Deus só é sensível aos sentimentos que elevam para Ele a alma. Obedecendo-Lhe à lei e não a violando é que podereis forrar-vos ao jugo da vossa matéria terrestre. (O Livro dos Espíritos. Questão 725. Allan Kardec).

            Consistirá na maceração do corpo a perfeição moral? Para resolver essa questão, apoiar-me-ei em princípios elementares e começarei por demonstrar a necessidade de cuidar-se do corpo que, segundo as alternativas de saúde e de enfermidade, influi de maneira muito importante sobre a alma, que cumpre se considere cativa da carne. Para que essa prisioneira viva, se expanda e chegue mesmo a conceber as ilusões da liberdade, tem o corpo de estar são, disposto, forte. Façamos uma comparação: Eis se acham ambos em perfeito estado; que devem fazer para manter o equilíbrio entre as suas aptidões e as suas necessidades tão diferentes? Inevitável parece a luta entre os dois e difícil achar-se o segredo de como chegarem a equilíbrio.

            Dois sistemas se defrontam: o dos ascetas (2), que tem por base o aniquilamento do corpo, e o dos materialistas, que se baseia no rebaixamento da alma. Duas violências quase tão insensatas uma quanto a outra. Ao lado desses dois grandes partidos, formiga a numerosa tribo dos indiferentes que, sem convicção e sem paixão, são mornos no amar e econômicos no gozar. Onde, então, a sabedoria? Onde, então, a ciência de viver? Em parte alguma; e o grande problema ficaria sem solução, se o Espiritismo não viesse em auxílio dos pesquisadores, demonstrando-lhes as relações que existem entre o corpo e a alma e dizendo-lhes que, por se acharem em dependência mútua, importa cuidar de ambos. Amai, pois, a vossa alma, porém, cuidai igualmente do vosso corpo, instrumento daquela. Desatender as necessidades que a própria Natureza indica, é desatender a lei de Deus. Não castigueis o corpo pelas faltas que o vosso livre-arbítrio o induziu a cometer e pelas quais é ele tão responsável quanto o cavalo mal dirigido, pelos acidentes que causa.

            Sereis, porventura, mais perfeitos se, martirizando o corpo, não vos tornardes menos egoístas, nem menos orgulhosos e mais caritativos para com o vosso próximo? Não, a perfeição não está nisso: está toda nas reformas por que fizerdes passar o vosso Espírito. Dobrai-o, submetei-o, humilhai-o, mortificai-o: esse o meio de o tornardes dócil à vontade de Deus e o único de alcançardes a perfeição. (Jorge, Espírito Protetor. Paris, l863. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap. 17. Item 11. Allan Kardec).

            (...) Não é possível dissociar-se a mente do corpo e vice-versa, o que equivale dizer, o Espírito da matéria. A interferência do psiquismo no mundo orgânico é preponderante para que se possa viver em equilíbrio.

            Uma saudável disposição mental se reflete no conjunto físico em forma de bem-estar, em razão das irradiações da usina psíquica oferecerem lubrificante para as engrenagens celulares, que passam a movimentar-se sob comando equilibrado.

            A cada dia os cientistas da saúde constatam mais evidências dessa realidade, que foi identificada desde os primórdios da arte de curar, particularmentequando os pais gregos da Medicina compreenderam que a mente é de relevante importância para a constituição harmônica da existência humana.

            Na atualidade, as conquistas da Psicologia vêm demonstrando que os fatores psicossociais são de alto significado para a conduta da criatura. Segundo a mesma, a hereditariedade tem uma contribuição de menor importância que a educação, o inter-relacionamento pessoal, as pressões econômicas, as expressões afetivas, que programam o indivíduo para a felicidade ou para a desdita.

             Como consequência, essas condutas produzem reflexos muito fortes na área da saúde, facultando o surgimento de enfermidades ou preservando o conjunto em boa atividade.

            Os comportamentos estressantes, o hábito de recalcar sentimentos agressivos, a conduta conformista exterior e rebelde interna, o acumular de ressentimentos ou paixões perturbadoras, as ambições desmedidas, o autodesamor transformam-se  em toxinas elaboradas pelo cérebro, que sofre o impacto da inarmonia mental, produzindo esses venenos que se espraiam pelo sistema nervoso central e terminam por fixar-se nos departamentos orgânicos, especialmente naqueles mais sensíveis, quais os aparelhos gástrico, respiratório, genésico, estabelecendo desconserto geral.

            Por outro lado, os sentimentos de esperança, de fé, de amor, de alegria, de paz e as ideias edificantes proporcionam altas descargas de energias salutares que são conduzidas pelas moléculas dos peptídeos em forma de endorfinas, interferon, interleucinas e outras substâncias equivalentes que restabelecem a equilibrada mitose celular, recuperando-as das desarticulações, estimulando os leucócitos e gerando circuitos de vibrações bem estruturadas.

            O amor, por exemplo, é de natureza fisiológica, embora se expresse como sentimento do ser profundo, já que ele pode ser detectado do ponto de vista quântico na condição de fótons, enquanto o medo e a ira se podem apresentar como elétrons.

            O pensamento desempenha uma função importante no conjunto existencial do ser humano, percorrendo todas as células, particularmente as do sistema nervoso simpático, que mantêm perfeito intercâmbio com as do imunológico.

            Assim sendo, as descargas mentais transitam através das referidas moléculas dos peptídeos por ambos os sistemas, proporcionando-lhes efeitos decorrentes da qualidade de onda de que são portadoras.

            Essa interação mente-corpo é, por sua vez, resultado da constituição humana ser não somente material, mas essencialmente psicofísica, portanto, trabalhada pelo Espírito, que é o agente da vida inteligente e organizada na criatura.

            Utilizando-se dos neurônios cerebrais e das suas conexões eletroquímicas, o Espírito está sempre enviando mensagens de variado teor a todos os setores do envoltório físico pelo qual se manifesta.

            Quando essas emissões são constituídas de ideias otimistas, pacificadoras, alegres, embora não ruidosas, surgem as respostas saudáveis no corpo, que se apresenta dinâmico, jovial, tendo preservados os seus equipamentos.

            Quando, no entanto, são carregadas de energia deletéria, depressiva, inconformista, perturbadora, os efeitos apresentam-se danosos, agredindo as defesas imunológicas e desarticulando os mecanismos de equilíbrio que respondem pela saúde. (Dias gloriosos. Cap. 3. Interação mente-corpo. Espírito Joanna de Ângelis. Psicografado por Divaldo P. Franco).

            Nossos pensamentos determinam nossa vida e, conseqüentemente, são eles que modelam nosso corpo. Portanto, somos nós, fisicamente, o produto do nosso eu espiritual.  (Renovando atitudes. Cap. 16 - Extensão da alma. Espírito Hammed. Francisco do Espírito Santo Neto)

            Com muita sabedoria, a Doutrina Espírita, que pode ser considerada sublime tratado de Medicina preventiva, preconiza como receita segura o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, bálsamo e anti-tóxico eficaz para qualquer desgaste do corpo e desorganização da alma. (Crestomatia da imortalidade. Cap. 36 - Em torno da saúde. Carneiro de Campos. Divaldo P. Franco).

            Jesus, o Psicoterapeuta por excelência, advertiu com sabedoria e solicitude: - Não faças a outrem o que não desejares que te façam, demonstrando que de acordo com a sementeira, assim será a colheita.

            A saúde integral, portanto, será sempre o resultado de uma consciência sem culpa, de um coração dulcificado e de uma conduta equilibrada. (Dias gloriosos. Cap. 15. Personalidades múltiplas. Espírito Joanna de Ângelis. Divaldo P. Franco).

         Se as enfermidades são de origem espiritual, é justo a aplicação dos medicamentos humanos, a cirurgia, etc, etc?

         O homem deve mobilizar todos os recursos ao seu alcance, em favor do seu equilíbrio orgânico. Por muito tempo ainda, a Humanidade não poderá prescindir da contribuição do clínico, do cirurgião e do farmacêutico, missionários do bem coletivo. O homem tratará da saúde do corpo, até que aprenda a preservá-lo e defende-lo, conservando a preciosa saúde de sua alma. Acima de tudo, temos de reconhecer que os serviços de defesa das energias orgânicas, nos processos humanos, como atualmente se verificam, asseguram a estabilidade de uma grande oficina de esforços santificadores no mundo. Quando, porém, o homem espiritual dominar o homem físico, os elementos medicamentosos da Terra estarão transformados na excelência dos recursos psíquicos e essa grande oficina achar-se-á elevada a santuário de forças e possibilidades espirituais junto das almas. (O Consolador. Questão 97. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier)

         O preceito do “corpo são, mentalidade sadia”, poderá ser observado tão somente pelo hábito dos esportes e labores atléticos?

            No que se refere ao; “corpo são”, o atletismo tem papel importante e seria de ação das mais edificantes nos problemas da saúde física, se o homem na sua vaidade e egoísmo não houvesse viciado, também, a fonte da ginástica e do esporte, transformando-a em tablado de entronização da violência, do abastardamento moral da mocidade, iludida com a força bruta e enganada pelos imperativos da chamada eugenia ou pelas competições estranhas dos grupos sectários, desviando de suas nobres finalidades um dos grandes movimentos coletivos em favor da confraternização e da saúde. Bastará essa observação para compreendermos que a “mentalidade sadia” somente constituirá uma realidade quando houver um perfeito equilíbrio entre os movimentos do mundo e as conquistas interiores da alma. (O Consolador. Questão 127. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier).

            Merece censura o homem, por procurar o bem-estar?

            É natural o desejo do bem-estar. Deus só proíbe o abuso, por ser contrário à conservação. Ele não condena a procura do bem-estar, desde que não seja conseguido à custa de outrem e não venha a diminuir-vos nem as forças físicas, nem as forças morais. (O Livro dos Espíritos. Questão 719. Allan Kardec).

            Até agora, de modo geral, o homem não tem sabido colaborar na preservação e na sublimação do castelo físico. Enquanto jovem, estraga-lhe as possibilidades, de fora para dentro, desperdiçando-as impensadamente, e, tão logo se vê prejudicado por si mesmo ou prematuramente envelhecido, confia-se à rebelião, destruindo-o de dentro para fora, a golpes mentais de revolta injustificável e desespero inútil. (Roteiro. Cap. 3 - O Santuário Sublime. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier). 

            De acordo com o livro '' Nosso lar'' , o Espírito André Luiz foi um suicida inconsciente, sofreu duas operações graves, devido a oclusão intestinal , pois não cuidou devidamente do corpo e do Espírito. Henrique, o médico espiritual que o examinou, faz os seguintes esclarecimentos:

            ''O organismo espiritual apresenta em si mesmo a história completa das ações praticadas no mundo.

            (...) A oclusão derivava de elementos cancerosos, e estes, por sua vez, de algumas leviandades do meu estimado irmão, no campo da sífilis. A moléstia talvez não assumisse características tão graves, se o seu procedimento mental no planeta estivesse enqüadrado nos princípios da fraternidade e da temperança.

            Entretanto, seu modo especial de conviver, muita vez exasperado e sombrio, captava destruidoras vibrações naqueles que o ouviam. Nunca imaginou que a cólera fosse manancial de forças negativas para nós mesmos?

            A ausência de autodomínio, a inadvertência no trato com os semelhantes, aos quais muitas vezes ofendeu sem refletir, conduziam-no freqüentemente à esfera dos seres doentes e inferiores. Tal circunstância agravou, de muito, o seu estado físico.

            (...) Já observou, meu amigo, que seu fígado foi maltratado pela sua própria ação; que os rins foram esquecidos, com terrível menosprezo às dádivas sagradas?

            (...) Os órgãos do corpo somático possuem incalculáveis reservas, segundo os desígnios do Senhor. O meu amigo, no entanto, iludiu excelentes oportunidades, desperdiçando patrimônios preciosos da experiência física. A longa tarefa, que lhe foi confiada pelos Maiores da Espiritualidade Superior, foi reduzida a meras tentativas de trabalho que não se consumou. Todo o aparelho gástrico foi destruído à custa de excessos de alimentação e bebidas alcoólicas, aparentemente sem importância. Devorou-lhe a sífilis energias essenciais. Como vê, o suicídio é incontestável. ''(Nosso lar. Cap. 4. O médico espiritual. André Luiz. Psicografado por Chico Xavier)

            No livro '' Conduta Espírita'', o Espírito André Luiz, o médico que cometeu o suicídio indireto, nos traz algumas orientações de como devemos cuidar do nosso corpo físico:

            ''Cultivar a higiene pessoal, sustentando o instrumento físico qual se ele fosse viver eternamente, preservando-se, assim, contra o suicídio indireto.

            (...) Precatar-se contra tóxicos, narcóticos, alcoólicos, e contra o uso demasiado de drogas que viciem a composição fisiológica natural do organismo.

            Existem venenos que agem gota a gota.

            Conduzir-se de modo a não exceder-se em atitudes superiores à própria resistência, nem confiar- se a intempestivas manifestações emocionais, que criam calamitosas depressões.

            O abuso das energias corpóreas também provoca suicídio lento.

            Distinguir no sexo a sede de energias superiores que o Criador concede à criatura para equilibrar-lhe as atividades, sentindo-se no dever de resguardá-la contra os desvios suscetíveis de corrompê-la.

            O sexo é uma fonte de bênçãos renovadoras do corpo e da alma.

            Fugir de alimentar-se em excesso e evitar a ingestão sistemática de condimentos e excitantes, buscando tomar as refeições com calma e serenidade.

            Grande número de criaturas humanas deixa prematuramente o Plano Terrestre pelos erros do estômago.

            Sempre que lhe seja possível, respirar o ar livre, tomar banhos de água pura e receber o sol (3) farto, vestindo-se com decência e limpeza, sem, contudo, prender-se à adoração do próprio corpo.

            Critério e moderação garantem o equilíbrio e o bem-estar.

            Por motivo algum, desprezar o vaso corpóreo de que dispõe, por mais torturado que ele seja.

            Na Terra, cada Espírito recebe o corpo de que precisa. ''(Conduta Espírita. Cap. 34 - Perante o corpo. Psicografado por Waldo Vieira)

                       

Observação (1): Nada vos pertence na Terra, nem sequer o vosso pobre corpo: a morte vos despoja dele, como de todos os bens materiais. Sois depositários e não proprietários, não vos iludais. (O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap. 16. Item 14. Allan Kardec)

 

Observação (2): O ascetismo ou asceticismo é uma filosofia de vida na qual são refreados os prazeres mundanos, onde se propõem a austeridade. Aquelas que praticam um estilo de vida austero definem suas praticas como virtuosa e perseguem o objetivo de adquirir uma grande espiritualidade. Muitos ascéticos acreditam que a purificação do corpo ajuda a purificação da alma, e de fato a obter a compreensão de uma divindade ou encontrar a paz interior. Isto também pode ser obtido com a automortificação, rituais, ou uma severa renúncia ao prazer. Entretanto, ascéticos defendem que essas restrições auto-impostas trazem grande liberdade em várias áreas de suas vidas, tais como aumento das habilidades para pensar limpidamente e para resistir a potenciais impulsos destrutivos. Asceticismo é muito associado com monges, yogis ou sacerdote, entretanto qualquer indivíduo pode escolher levar um vida ascética. (http://pt.wikipedia.org/wiki/Ascetismo_%28filosofia%29).


Observação (3): O Sol é essa fonte vital para todos os núcleos da vida planetária. Todos os seres, como todos os centros em que se processam as forças embrionárias da vida, recebem a renovação constante de suas energias através da chuva incessante dos átomos, que a sede do sistema envia à sua família de mundos, equilibrados na sua atração, dentro do Infinito. (O Consolador. Questão 10. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier).

           

Bibliografia:

-  O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap. 16, item 14. Cap. 17, item 11. Allan Kardec.

- O Livro dos Espíritos. Questões 702, 718, 719, 722, 723, 724, 725. Allan Kardec.

- O céu e o inferno. 1ª Parte. Cap. 3. Item. 5. Allan Kardec.

- A Gênese. Cap. 11. Item 24. Allan Kardec.

- Revista Espírita. Dezembro de 1863. Sobre a alimentação do homem. Allan Kardec.

- Revista Espírita. Fevereiro de 1864. Dissertações Espíritas. Necessidade da encarnação. Allan Kardec.

- Roteiro. Cap. 3 - O Santuário Sublime. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier.

- O Consolador. Questões 10, 97, 127. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier.

- Nosso lar. Cap. 4. O médico espiritual. André Luiz. Psicografado por Chico Xavier.

- Missionários da Luz. Cap. 12. Espírito André Luiz. Psicografado por Chico Xavier.

- Conduta Espírita. Cap. 34 - Perante o corpo. Psicografado por Waldo Vieira.

- Chico Xavier, dos hippies aos problemas do mundo. Entrevistas. Emmanuel/ Chico Xavier.

- Dias gloriosos. Cap. 3 e 15. Espírito Joanna de Ângelis. Psicografado por Divaldo P. Franco.

- Crestomatia da imortalidade. Cap. 36 - Em torno da saúde. Carneiro de Campos. Divaldo P. Franco.

- Renovando atitudes. Cap. 16 - Extensão da alma. Espírito Hammed. Francisco do Espírito Santo Neto.

- Site: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ascetismo_%28filosofia%29. Data da consulta: 26/07/15.